Óleo de fritura: de resíduo à matéria-prima



Seja de girassol, soja, milho, oliva ou de coco, o óleo é um item indispensável na cozinha, sobretudo em processos de fritura e cozimento. Embora ele esteja tão presente na rotina alimentar das pessoas, o descarte correto do óleo ainda gera muitas dúvidas – surgindo, por vezes, no momento do descarte, perguntas como: “despejo direto na pia?”, “devo armazenar num local apropriado?” ou “se armazenar, para onde levo?”. Existe uma solução para esse óleo residual?

Quando descartado na pia, o óleo de fritura pode causar o entupimento das tubulações nas redes de esgoto, contaminar a água e ainda impermeabilizar o solo. De acordo com estudo feito pela Sabesp, um litro de óleo de fritura pode contaminar cerca de vinte mil litros de água – o que alerta para a necessidade do cuidado com esse resíduo. Além do impacto ambiental, essa atitude equivocada pode aumentar os custos de tratamento em até 45%.

Embora o óleo de fritura, sob um primeiro impulso, seja visto como um resíduo, ele pode ser encarado, à segunda vista, como uma matéria-prima potencial. Uma alternativa simples e barata para a reutilização desse óleo é transformá-lo em sabão para uso doméstico. Alternativa esta que sai da cozinha e que, fornecido o devido tratamento, pode ser utilizada na limpeza da casa.


Alguns locais em Salvador recebem o óleo de fritura coletado pelas pessoas em suas residências ou estabelecimentos comerciais e dão um destino correto para esse resíduo. É possível conferir os principais pontos de coleta através do site coleta seletiva, disponibilizado pela Prefeitura. Com informações como essa, surgem atitudes conscientes que contribuem para a preservação do ecossistema; e também podem ajudar outras pessoas cujo pensamento é voltado para a sustentabilidade, como é o caso dos colaboradores da COOPMARC – cooperativa que se dedica a transformar o óleo de fritura em sabão.


A PRISMA conheceu a história da COOPMARC em 2016 e teve a oportunidade de ajudar a cooperativa na melhoria da produção de sabão. Naquele período, foi feito um estudo acerca da qualidade do produto, desde a fórmula até as práticas de fabricação. Ainda mais, foi direcionado um olhar especial à segurança dos colaboradores durante todo o processo, a fim de evitar quaisquer acidentes no turno de trabalho.

Além do citado acima, verifica-se que, em muitas empresas, de modo geral, a existência de problemas no processo pode ser resolvida através da implementação de um manual de boas práticas entre os funcionários. A falta de normas de utilização e de execução na rotina um empreendimento pode ocasionar frequentemente desperdício de material por mau uso ou por perda do prazo de validade, certa ociosidade ou sobrecarga dos funcionários, e tantos outros problemas que afetam diretamente na entrega do produto; e, por consequência, no lucro e na satisfação do cliente. No entanto, é possível solucionar casos como esses utilizando ferramentas gerenciais e de comunicação, fazendo uma análise detalhada da produção e estabelecendo boas práticas.

Quer saber mais sobre nosso serviço de Boas Práticas? Descubra nesse link ou entre em contato conosco.


109 visualizações

Nos siga nas redes sociais!

© 2019 Prisma - Empresa Júnior de Engenharia Química da UFBA

  • LinkedIn - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

Entre em contato conosco:

(71) 99338-4832

Fale com um dos nossos consultores!

  • whatsapp-logo (1)