Taxa SELIC: saiba como ela afeta o seu empreendimento e como atuar diante do cenário atual


“Banco Central mantém SELIC [1] a 6,5%”

Quantas vezes você ouviu ou leu esse tipo de notícia em telejornais ou em redes sociais nos últimos meses? A cada 45 dias, uma mensagem similar à citada acima é lançada na mídia, pois é quando o Copom (Comitê de Política Monetária) – comitê do Banco Central (BC), responsável por traçar a política monetária do país – se reúne para discutir as diretrizes de taxa de juros do Brasil.

[1] SELIC – Sistema Especial de Liquidação e Custódia. Aqui chamaremos de taxa SELIC, taxa básica de juros ou simplesmente SELIC.

Mas por que o BC geralmente altera a taxa básica de juros do país a cada um mês e meio? Bom, muitos economistas explicam que o mecanismo de se elevar ou reduzir a taxa SELIC tem como intuito principal controlar a inflação do país, mas é melhor entender como isso ocorre através de um exemplo fictício.

Imagine que certo dia o Banco A tem mais saques do que depósitos, mas ele precisa cumprir com suas obrigações perante seus clientes (senão vira calote). Digamos que neste mesmo dia o Banco B tenha tido mais depósitos que saques, logo, o Banco B tem dinheiro “sobrando”. Com o intuito de conter o “rombo” do Banco A, o Banco B empresta o dinheiro que falta para igualar a equação "depósitos - saques" ao Banco A, acrescido de uma taxa de juros. Que taxa seria essa? Ela mesma, a taxa SELIC, ditada pelo BC. Caso essa taxa de juros seja muito baixa, os bancos tenderão a emprestar dinheiro entre si a um custo menor e, consequentemente, poderão emprestar dinheiro a um custo menor a seus clientes, ou seja, a mim e a você.


Bem, mas em que isso afeta a sua vida como um empreendedor? A taxa básica de juros é que baliza o custo de empréstimos e serve como base dos rendimentos de investimentos de renda fixa [2]. Assim, quando a taxa SELIC está muito alta, há a tendência de se elevar a taxa de juros de empréstimos dos bancos para pessoas físicas e jurídicas. Isto é, tomar empréstimos para novos projetos se torna mais caro. Porém, com elevação da SELIC, há uma tendência de se elevar a rentabilidade de investimentos de renda fixa também, sejam eles títulos públicos ou privados. De forma simples, é mais fácil e rentável para um empreendedor investir seus recursos excedentes nesse tipo de investimento do que lançar novos serviços ou produtos no mercado. Em caso de baixa da SELIC o comportamento é o oposto.

[2] Investimentos de renda fixa – são títulos que pagam, em períodos definidos, certa remuneração, que pode ser determinada no momento da aplicação ou no momento do resgate (no final da aplicação). O modo mais fácil de entender o que é um título de renda fixa é imaginar cada título como um empréstimo.

Empreendedores, sendo pessoas inovadoras que buscam atender constantemente as demandas que surgem no mercado, não podem ficar a mercê do governo para saber qual melhor momento para expandir seus negócios.

Sabendo disso, não é prudente desenvolver novos negócios sem antes fazer um estudo detalhado de seus potenciais ganhos.

Assim, qual forma de saber se determinado projeto é viável ou não? Como saber se vale a pena investir tempo e dinheiro em um determinado produto ou serviço novo?

O Estudo de Viabilidade Econômica (EVE) é um tipo de análise feita que tem por intuito responder a seguinte questão: Compensa gastar tempo e dinheiro nesse projeto? A resposta a esta pergunta possibilita fazer projeções e visualizar o potencial de retorno do novo projeto.

Geralmente o EVE é realizado após o Estudo de Viabilidade Técnica (EVT) de algum novo projeto. O estudo completo é conhecido como Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica (EVTE).


O EVT tem como objetivo responder a pergunta: Esse projeto é tecnologicamente e cientificamente possível?

Se após profundas pesquisas a resposta for sim, inicia-se o EVE, onde são feitas projeções de receitas, custos e despesas do novo projeto através da análise do fluxo de caixa da empresa. Por meio dessas projeções, é possível calcular alguns indicadores, que auxiliam o estudo do caso.

Um destes indicadores (normalmente o primeiro de um EVE) é conhecido como Taxa Mínima de Atratividade (TMA), que representa o retorno mínimo esperado para um investimento. É justamente este indicador que iremos propor como ganho mínimo referencial tendo como base a taxa SELIC. Para que um projeto seja viável, a TMA deve ser sempre maior que a taxa SELIC, pois, se não for assim, como foi dito no início deste artigo, vale mais a pena investir em títulos do governo (renda fixa) atrelados à SELIC. Por exemplo, nesse mês – junho de 2018 – a meta da taxa SELIC está em 6,5% ao ano. Uma TMA prudente deve ser de 7 a 8% de retorno.

Existem outros indicadores importantes como VPL, TIR, ROI, payback, etc., para saber se um projeto é viável.

Se todos esses indicadores parecem mais uma sopa de letrinhas, mas ainda assim você está pensando em lançar um novo produto ou serviço, não deixe de nos contatar. Iremos te ajudar a alocar seus recursos naquilo em que lhe trará a maior rentabilidade, sendo verdadeiros parceiros na perpetuação de seus negócios.

Gostou deste artigo? Não deixe de nos seguir em nossas redes sociais.

Se ficou alguma dúvida, deixe seu comentário que teremos o maior prazer em responder.

#Economia #SELIC #Crescimentoempresarial

0 visualização

ENTRE EM Contato CONOSCO!

TELEFONE: (71) 8154-0227

E-MAIL:  consultoria@prismaengenharia.org

Ou fale diretamente com um de nossos consultores clicando no ícone

  • whatsapp-logo (1)

Localização

Endereço: R. Prof. Aristídes Novis, Nº 2, Escola Politécnica da UFBA - Federação, Salvador - BA, 40210-630

  • LinkedIn - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

© 2020 Prisma - Empresa Júnior de Engenharia Química da UFBA