Entenda a Poluição das Águas e Conheça 4 dicas Para Evitá-la

Atualizado: 3 de Out de 2019


Autora: Amanda Ribeiro



Você, assim como a maioria dos brasileiros, provavelmente ouve falar desde criança sobre a importância de evitar a poluição do meio ambiente e adotar medidas mais sustentáveis no dia a dia, não é mesmo?


Com tantas abordagens sobre o assunto, seria esperada a criação de uma cultura voltada à preservação ambiental no Brasil. No entanto, apenas aqui na Bahia, 271 cidades têm água contaminada por agrotóxicos, 28 praias estão impróprias para banhos e, em Feira de Santana, o Rio Jacuípe já possui registro de desaparecimento de espécies.


Durante a leitura desse artigo, você vai entender mais sobre o que está acontecendo com as águas do nosso país, e conhecer medidas para que você possa ser um agente de mudança dessa situação.

Um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU é “Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável”. Você sabe como podemos fazer a nossa parte para a concretização desse objetivo? Para saber, acompanhe a leitura.


Além dos exemplos de poluição das águas citados no início do texto, temos que os ambientes marinhos de todo o Brasil estão consideravelmente contaminados por resíduos sólidos, como o plástico.


Foi constatado que, além de garrafas PET, sacolas e embalagens de alimento, as águas (de todo o Planeta) têm sido contaminadas por microplásticos, que são materiais com tamanho inferior a 5 milímetros.


Os microplásticos são facilmente ingeridos por peixes, aves, tartarugas e mamíferos marinhos. Em muitos casos, essas substâncias entram na cadeia alimentar do homem quando o mesmo se alimenta de frutos do mar.


Além dos resíduos sólidos, outra fonte preocupante de poluição das águas é o lançamento de esgoto e outros efluentes (domésticos ou não) contaminantes em rios e mares. Isso leva ao fenômeno da eutrofização, que pode levar ao surgimento de microalgas e sufocamento de espécies marinhas. Também há o risco de transmissão de doenças das fezes humanas para banhistas e consumidores da água em questão.


Às vezes, até simples atitudes diárias contribuem para a poluição das águas. Por exemplo, você descarta óleo de cozinha na pia? Se sua resposta for sim, essa é uma atitude que você precisa parar de praticar. O óleo de cozinha descartado no ralo contribui para a poluição das águas, ameaça espécies marinhas e ainda pode causar problemas no encanamento de residências e estabelecimentos comerciais.


Os dados apresentados são preocupantes, mas a boa notícia é que você pode ser um agente de mudança dessas situações. Pensando nisso, separamos quatro dicas práticas para auxiliar você nessa missão. Confira:


1 - Não descarte óleo de cozinha no ralo


Como já mostramos, esse hábito contribui para a poluição das águas. Para descartar o óleo corretamente, armazene-o em garrafas PET, utilizando um funil caso necessário, e procure o ponto de coleta de óleo de cozinha mais próximo. Caso você resida em Salvador, pode encontrar um ponto facilmente através do site: www.coletaseletiva.salvador.ba.gov.br


2 - Descarte seus resíduos corretamente


É importante, por exemplo, levar sacolas para armazenar o lixo gerado quando for à praia para depois descartar em um local adequado. Além disso, uma forma muito eficaz de evitar a destinação incorreta dos resíduos é através da coleta seletiva. Caso você resida em Salvador, pode procurar por PEVs (Pontos de Entrega Voluntária) no site www.coletaseletiva.salvador.ba.gov.br . Esses pontos estão presentes em diversos locais da cidade e você pode descartar neles todos os resíduos recicláveis.

Você também pode implementar a coleta seletiva no seu condomínio ou local em que trabalha através do serviço de Gestão de Resíduos Sólidos (GRS). Assim, é possível planejar e executar os procedimentos e técnicas para coleta, manuseio, armazenamento, transporte e disposição dos resíduos sólidos produzidos, com o mínimo de riscos para os seres humanos e para o meio ambiente, de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (lei nº 12.305/2010).


Como resultado final, o serviço de GRS implementará técnicas como coleta seletiva, além de outras, a depender da realidade e necessidades do cliente.


Para saber mais confira aqui


3 - Evite o uso de esfoliantes com microplásticos


Como vimos, os microplásticos são fonte de grande parte da contaminação das águas e eles estão presentes em alguns esfoliantes. Para identificar a presença desses materiais no produto, basta procurar em seu rótulo palavras como polietileno e polipropileno (em inglês, “polyethylene” e “polypropylene”, respectivamente).


Se quiser entender como utilizar alternativas mais sustentáveis para esfoliação, sugerimos a pesquisa de preparação de esfoliantes caseiros. Alguns utilizam, por exemplo, o açúcar.


4 - Fique atento aos efluentes lançados em mares ou rios


Se você é responsável pelo lançamento de efluentes em recursos hídricos naturais, busque saber se esse resíduo está dentro das especificações exigidas legalmente, através de uma análise de água e efluentes.


Se você não é responsável por isso, mas observa alguma atividade irregular nesse sentido, denuncie para órgãos competentes ou fale com uma empresa especializada para realizar a caracterização do efluente.


Vamos ser agentes de mudança dessa realidade de poluição das águas? Contamos com você na formação de um mundo mais sustentável!



Gostou desse texto? Compartilha com seus amigos! Quanto mais pessoas implementando boas atitudes sobre o meio ambiente, melhor!



Nos siga nas redes sociais!

© 2020 Prisma - Empresa Júnior de Engenharia Química da UFBA

  • LinkedIn - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

Entre em contato conosco:

(71) 99338-4832

Fale com um dos nossos consultores!

  • whatsapp-logo (1)