Quais são os tipos de corrosão e como tratá-las?

Atualizado: Jul 25

Você já deve ter notado em algum momento um desgaste com uma coloração marrom avermelhada em seu maquinário, muito conhecido como ferrugem. Essa ferrugem na verdade nada mais é do que o material corroído. A corrosão pode ocorrer por conta de diversos fatores, sendo as mais comuns: por placas, uniforme, alveolar, intergranular e pelo Hidrogênio.


É um problema extremamente comum, principalmente nas áreas litorâneas (como já foi explicado aqui) e pode ser extremamente custoso para uma empresa. Um estudo de 17 anos atrás da NACE (National Association of Corrosion Engineers – importante associação da área) estimou que apenas nos EUA são gastos por ano mais de 270 bilhões de dólares com corrosão. Por conta disso, é muito importante conhecer as causas e os tipos, para assim reconhecê-la no começo. Por ser um processo natural não pode ser evitada, mas solucionar esse problema no começo já gera diversas economias.

Autora: Virgínia Cruz


A corrosão ocorre devido a reações químicas e eletrônicas com o meio ambiente que causam uma perda de matéria do objeto e pode ser potencializada pela umidade, temperatura, chuvas, dentre outros.


1 - Corrosão por Placas

Esse tipo de corrosão afeta apenas algumas partes do material, ou seja, é localizada. O que causa, progressivamente, depressões, em alguns casos, determinadas partes se soltam.


2 - Corrosão Uniforme

Forma de corrosão eletroquímica que ocorre de maneira uniforme em toda a superfície, sua causa é devido a micropilhas de ação localizada. Esse é o tipo mais comum e o mais fácil de se identificar.


3 - Corrosão Alveolar

Assim como a por placas, há a formação de depressões. Essa forma se distingue da outra pois as escavações são mais redondas, com profundidade bem menor do que o diâmetro. O alvéolo é uma cavidade na superfície metálica e fundo arredondado


4 - Corrosão Intergranular

Nesse tipo de corrosão, com o passar do tempo, o metal vai perdendo força até se romper, isso ocorre entre os grãos de sua rede cristalina, pois em certas condições os contornos se tornam muito reativos.


5 - Empolamento por hidrogênio

Há uma fusão de dois hidrogênios atômicos (H) durante o resfriamento, formando hidrogênio molecular (H2) e causando bolhas.


Como já foi citado, a corrosão é um processo espontâneo que consiste na natural destruição de um material, geralmente um metal, através de reações químicas com o ambiente onde ele está inserido. A análise desse problema contribui para a diminuição dos gastos com correção de erros em equipamentos e tubulações, além de aumentar a segurança na planta industrial e da qualidade do produto final, garantindo uma maior vida útil e competitividade no mercado. Por conta disso, é de extrema importância a realização de uma análise de corrosão assim que o maquinário começar a apresentar algum desses sinais.


A Prisma Jr. oferece esse serviço de uma forma extremamente personalizada para o seu negócio. Quer saber como podemos te ajudar? Entre em contato e marque uma visita diagnóstica gratuita.

54 visualizações