Saúde Mental no Trabalho: Seus Impactos e Formas de Contribuir

Atualizado: Jul 17

Você sabia que, segundo dados de uma pesquisa feita em 2018 pela GBD (Global Disease Burden), foi visto que, no ano de 2017, pelo menos 792 milhões de pessoas ao redor do globo sofrem com algum de distúrbio relacionado à saúde mental, o que corresponde a, aproximadamente, 10,7% da população mundial?

Dessa maneira, percebe-se que, ainda que esforços já estejam sendo feitos nessa área da saúde, é inegável que muitas pessoas são acometidas por transtornos mentais. Comprova-se, além disso, a necessidade de se ter toda a sociedade contribuindo para solucionar essa problemática, sendo essa uma adversidade universal.


Autor: Gustavo Santos


Não obstante, o mercado de trabalho é, atualmente, uma das atividades sociais que o ser humano mais aplica seu tempo, havendo nítida influência na saúde mental das pessoas. Em função dessa dedicação de tempo e esforço no expediente, o trabalho compõe parte relevante na forma como quem trabalha enxerga sua consciência e valida seu propósito, a partir do ofício realizado.

Diante disso, é fundamental que esse tema seja tratado com a importância necessária, haja vista o quão impactante essa esfera social é para a saúde mental de um profissional ao longo de sua carreira. Continue lendo para saber mais sobre como mudar esse cenário:


Implicações para o mercado de trabalho

Sendo o convívio trabalhista uma das extensões da vida social de todo ser humano, é natural que, durante a carreira profissional de uma pessoa, as esferas profissional e psicossocial sejam cada vez mais interdependentes entre si.

Isso ocorre por que, muitas vezes, as pendências com a saúde mental de uma pessoa veem à tona no ambiente trabalhista, isso quando não é a própria ocupação a origem de alguns desses problemas. Dessa forma, a ocupação trabalhista desempenhada pode ser uma parcela considerável na consciência, podendo ser, ao mesmo tempo, estopim e agravante para diversos distúrbios mentais.